Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

Campanha 1976 - Jornal O Globo

Ainda carente de uma postagem à altura da sua representatividade histórica para Campina Grande, apresentamos um apanhado raro de três jingles eleitorais de campanhas pretéritas na Rainha da Borborema, do candidato Juracy Palhano.

O economista e empresário João Juracy Palhano Freire nasceu em 19/6/1935 em Remígio-PB, filho de Manoel Cardoso Palhano e Cora Freire Palhano. Foi funcionário do Banco do Brasil no período de 1958 a 1971, tendo exercido a função de Diretor de Colégio Estadual no ano de 1967.

Perseguiu por mais de uma vez a chance de governar Campina Grande, não obtendo sucesso. Porém, foi deputado estadual de 1968 a 1973 e, em maio de 1986, como suplente, veio assumir em definitivo uma cadeira como Deputado Federal, pelo PDS, com o falecimento do então Deputado Ernani Sátyro, cumprindo seu mandato até o final daquela legislatura em janeiro de 1987. 

Apesar de não termos a referência à qual ano cada jingle pertence, agradecemos a colaboração de Manoel Leite, o Leitinho, que nos cedeu os áudios, que podem ser ouvidos abaixo:

 Jingle 1:
Jingle 2:
Jingle 3:



Com o propósito de reapresentar a maestria de Marinês à nova geração de campinenses e, conseqüentemente, de paraibanos, o professor Noaldo Ribeiro, um dos grandes expoentes do ativismo cultural de Campina Grande desenvolveu o projeto “Marinês Canta a Paraíba”, gravado no ano de 2004 no Cine Banguê, em João Pessoa.

O projeto ousou compor em uma única obra, objetiva e compacta, porém riquíssima, um apanhado de depoimentos de grandes ícones da MPB contemporânea, ídolos da atualidade, acerca da importância cultural da presença de Marinês para a música em suas carreiras, como também para todo o cenário musical no Brasil.

Compondo a mídia audível, Marinês interpreta seus grandes e inesquecíveis sucessos acompanhada pela Orquestra Sinfônica da Paraíba, realizando um dos seus maiores sonhos.

Recebemos, com muita honra, a colaboração do professor Noaldo Ribeiro, que nos ofertou um exemplar do livro/CD “Marinês Canta a Paraíba”, que homenageou em vida a grande diva da música regional nordestina, “A Rainha do Xaxado”, patrimônio cultural da Rainha da Borborema.

Sob a autorização do autor, postaremos, em série, parte desta magnífica seleção de depoimentos coletados e publicados por Noaldo Ribeiro, além das belíssimas canções interpretadas por Marinês, componentes do projeto desenvolvido por Noaldo Ribeiro, Regina Albuquerque e Lamarck Melo.


Depoimento de Dominguinhos


"Aquarela Nordestina" Marinês e OSPB
Ficha - Anos 40 (frente)

De forma curiosa, apresentamos aos mais novos (da mesma forma que relembramos os mais experientes), as antigas 'Fichas de Transportes Coletivos'. 

O precursor do atual vale-transporte era fabricado no formado de uma moeda e foi utilizado pelas empresas de transportes públicos no passado. 

Ficha, Anos 40 (verso)
A 'ficha de ônibus', como era conhecida, retratada acima pertencia à empresa Autoviária Rainha da Borborema, de Campina Grande, a atual Empresa de Transportes Borborema, existente até hoje e pertence ao acervo do colecionador Eduardo Cunha, do Rio de Janeiro, que se dedica à colecionar fichas de ônibus de todo o Brasil, como pode ser atestado em matéria postada no Portal Ônibus Paraibano

Atual Vale-Transporte - Sitrans CG

Philippe Figueiredo, que nos encaminhou esta matéria, ressalta para que quem quiser entrar em contato com o colecionador Eduardo Cunha, sobre este assunto pode se utilizar do e-mail ecunha2@bol.com.br.

Apresentação de Frota da Empresa Borborema (hj Pç da Bandeira), Década de 50 - Foto: Acervo Emp. Borborema

Sites/Fontes:
http://www.onibusparaibanos.com
http://www.rdvetc.com
http://www.campinavalemais.clicpersonal.com.br
Antonio Silvino (foto da prisão)

Nascido no dia 02 de Setembro de 1875, em Afogados da Ingazeira-PE, filho de Francisco Batista de Morais e Balbina Pereira de Morais, Manoel Batista de Morais, mais conhecido como "Né Batista", era irmão de Higino, Zeferino e Francisco Batista de Morais.

Foi a partir da morte do seu pai, conhecido como "Batistão do Pajeú" que, em companhia do irmão Zeferino, enveredou pelos caminhos do cangaço, no ano de 1896.

Movido pelo sentimento de vingança, mata Desidério, o assassino do seu pai, adota o nome de Antonio Silvino e se torna um dos mais temidos cangaceiros que precederam Lampião, liderando o bando do seu finado tio Silvino Ayres.

No auge da sua vida como bandoleiro, atuou em cidades do Compartimento da Borborema. Agiu em cidades como Fagundes, Esperança, Monteiro, Alagoa Grande e, tendo Campina Grande como centro das suas investidas, haja visto a presença de coiteiros na região e pela amizade que detinha com fazendeiros locais, dentre ele, o Coronel Eufrásio Câmara, adversário do prefeito Cristiano Lauritzen.

No ano de 1907, a sociedade de Campina Grande vivia a expectativa da chegada do trem da Great Western pela primeira vez, em meio a ansiedade gerada com a promessa de Antonio Silvino de tombar o trem no dia da sua inauguração. Silvino já havia arrancado trilhos, prendido funcionários e sequestrado engenheiros da compahia ao longo da implantação do sistema ferroviário no Estado da Paraíba. 

Segundo o 'fac-simile' da reportagem da chegada do trem em Campina Grande, publicado no Diário de Pernambuco em 06 de Outubro de 1907, "[...]No dia da inauguração da estrada de Campina, Antonio Silvino, esteve no Alto Branco, onde soltou diversas girândolas, naturalmente festejando aquelle dia. Nesse logar declarou que o trem de Campina correria sómente três vezes, o numero necessário para as moças da referida cidade conhecerem-no. Ainda esteve no Geraldo e no Areial de Alagoa Nova, a 15 kilometros de Campina Grande, roubando, trucidando, matando animais e comettendo os maiores desatinos. Ante-hontem, à noite, chegou em Campina Grande uma força federal que anda em perseguição do bandido."
Silvino é o segundo de pé, da esquerda p/direita

Na Paraíba teve no Major Joaquim Henriques seu principal perseguidor. Porém, fora preso em Pernambuco no ano de 1914, pelo delegado do município de Taquaritinga, o Alferes Teófanes Ferraz Torres. Nesta época, o governador do vizinho estado era o General Dantas Barreto, ex-Ministro da Guerra do governo Hermes da Fonseca.

Levado para cumprir pena, era o preso 1122, ocupando a cela 35 da antiga Casa de Detenção do Recife.

Dotando-se de comportamento exemplar, após 22 anos de pena, foi libertado em 1937 após receber um indulto do então presidente Getúlio Vargas.

Como homem livre, adota a residência da prima Teodolina Aires Cavalcanti, localizada na esquina da Rua João Pessoa com a Arrojado Lisboa, onde hoje se localiza uma agência de veículos, em frente à Praça Félix Araújo.

Em Campina Grande viveu de 1937 a 1944, quando enterrou sua alcunha, e dividia a vida caseira com a frequência à Igreja Congregacional da Rua 13 de Maio; embaixo do braço, não mais o rifle e, sim, a Bíblia Sagrada.



Manoel Batista de Moraes, ou melhor, Antonio Silvino faleceu por volta das 19:00hs do dia 28 de Julho de 1944, na casinha de taipa que lhe acolheu em Campina Grande, sete anos após sua saída da prisão.

O cangaceiro teve oito filhos gerados com várias mulheres. Sua última esposa lhe deu quatro filhos.

Antônio Silvino (de chapéu), em frente a Casa de Detenção
Foto:Antonio Silvino, o cangaceiro o homem o mito/Reproducao

Foi enterrado no Cemitério do Monte Santo, de onde, dois anos e meio depois, seus restos mortais foram transferidos para outro local desconhecido no campo santo, pelo fato de ninguém nunca ter reclamado os ossos do bandoleiro.

Seu local de sepultamento, hoje, possui um marco com uma placa de cimento, erguido pelo historiador João Dantas que junto ao pesquisador Olavo Rodrigues intentam a implantação de uma placa de bronze em referência ao cangaceiro.

 Prof. Mário Vinicius Carneiro ao lado do marco erguido sob o local onde
fora sepultado Antônio Silvino o Cemitério do Monte Santo

"Antonio Silvino é um dos principais cangaceiros, morreu e está enterrado em Campina Grande, mas praticamente não existe referência de sua passagem por essa cidade" (pesquisador Olavo Rodrigues para o Diário da Borborema, em matéria do jornalista Severino Lopes)

Teodulina Cavalcante (Prima) - Fonte (*)

Casa de Teodulina Cavalcante, era localizada na Rua Arrojado Lisboa, em Campina Grande - Fonte (*)

Fontes Pesquisadas:
Diário da Borborema (http://www.diariodaborborema.com.br/2010/08/01/cotidiano2_0.php)
Diário de Pernambuco (http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/08/01/brasil2_0.asp)
Jornal O Norte (http://www.jornalonorte.com.br/2010/08/01/diaadia5_2.php)
Blog Lampião Aceso (http://lampiaoaceso.blogspot.com/2009/11/um-cangaceiro-na-detencao.html)
Vitrine do Cariri (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B4nio_Silvino)
Wikipédia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B4nio_Silvino)
(*) BARBOSA, Severino. "Antonio Silvino: O Rifle de Ouro - Vidas, Combates, Prisão e Morte do 
Mais Famoso Cangaceiro do Sertão". 2ª Edição - CEPE, Recife. 1979.

Agradecimentos ao professor Mario Vinicius Carneiro Medeiros pela foto do túmulo de Antônio Silvino
Graças a colaboração de Marconi Alves de Melo, o blog RHCG teve acesso a mais uma grande raridade: o registro em vídeo do que restou do antigo cinema Apollo, que posteriormente passou a se chamar Cine Paratodos.

As imagens foram feitas em 1993, no fundo do imóvel onde funcionava à época a agência da VASP na Rua Maciel Pinheiro, e mostram a parte do cinema onde ficava a tela, que dividia a sala de exibição em duas partes: a que continha as cadeiras, a parte da frente; e a outra, que ficava por trás da sala.

O vídeo pode ser assistido clicando-se abaixo:




Segundo os que frequentaram aquele cinema, as pessoas mais humildes presenciavam os filmes em pé, na parte de trás da tela, pagavam menos por isso.

"Outro ponto importante, para mim, é que o meu pai, Pedro Alves de Melo, trabalhou naquele cinema como pintor, inicialmente, e depois passou a vender ingresso. No começo da década de 40 foi trabalhar no Cine Capitólio, a convite do Sr. Getúlio Cavalcante. 'Seu Getúlio' foi gerente do Cine Apollo, posteriormente foi gerenciar o Capitólio", contou Marconi Alves ao RHCG.
Rua Maciel Pinheiro, Década de 1920

Ela já foi chamada de Rua do Seridó, ou estrada do Seridó, Rua Uruguaiana, Rua das Gameleiras, Rua Grande, Rua do Comércio e tornou-se uma paixão da cidade como a Rua Maciel Pinheiro. 

Foi a rua de construções lindas e imponentes que desapareceram sobre as picaretas da insensibilidade, como o Teatro Apolo, de 1912, o Mercado Novo, de 1864, a Casa Inglesa, de 1877, o Cine Fox, de 1918, entre outras. 

A Maciel Pinheiro também tornou-se inesquecível como o quartel-general dos antigos carnavais de rua, e as grandes festas de final de ano, como o Natal, onde a população ia à noite, até o anos 1970, desfilar suas melhores roupas e admirar as vitrines que eram um luxo, como as da Casa Guri e Casa Vaz, ou tomar um sorvete na Riviera. 

Uma rua cheia de história, pois dali saiu, em grande comitiva, o prefeito Cristiano Lauritzen, no dia 2 de outubro de 1907, para inaugurar a estrada de ferro e receber a locomotiva Maria Fumaça, que pela primeira vez chegaria a Campina Grande. 

A Rua Maciel Pinheiro é o coração do art déco na cidade, onde mais predomina este tipo de arquitetura no Brasil. E por isso mesmo poder ser transformada num dos trunfos para o desenvolvimento definitivo da indústria turística local.




Pois é: em determinada altura dos anos 70, a diretoria do Galo da Borborema mudou seu nome para "Treze Athlético Paraibano", o que causou enorme confronto com a torcida mais tradicionalista, que tempos depois, através de ação encabeçada pelo fundador Antônio Fernandes Bióca, conseguiu a volta do nome antigo e tradicional.

A foto acima mostra uma faixa postada na esquina do Calçadão da Cardoso Vieira com a Rua Venâncio Neiva como registro dessa época. Ao fundo, a antiga redação do Diário da Borborema.

Foto enviada pelo Colaborador Gutemberg Olímpio.

Um dos maiores sortimentos de instrumentos musicais, discos (LPs) e fitas K-7 de Campina Grande foi a loja MUSIDISCO, de propriedade do Eng. Elétrico Edilson Morais. 

A MUSIDISCO foi inaugurada no ano de 1980 e, ao longo de 24 anos de atuação marcou época no mercado fonográfico antes do 'boom' das mídias digitais, provendo o consumidor campinense dos grandes lançamentos da música nacional e internacional, bem como oferecendo aos músicos locais uma grande variedade de instrumentos e equipamentos de som.

A loja era localizada na Rua Semeão Leal, em frente à Feirinha de Frutas (Praça Lauritzen), e encerrou suas atividades no ano de 2004.


O leitor Valfrêdo Farias, em comentário juntado à postagem, atualiza com o seguinte texto:

"Muito antes de ser Musidisco, esse endereço dava lugar à Discotape que também era de Edilson. Essa primeira configuração era o verdadeiro refúgio dos amantes do rock e do pop na cidade. Muitas tardes no início dos 80's na loja ouvindo as coleções das grandes figuras da música. Lá, se encontrava basicamente tudo o que se quisesse e montávamos nossos arsenais - Beatles, Queen, Led Zeppelin, Black Sabbath, Iron Maiden, AC/DC... Os progressivos do Yes, Pink Floyd, Triumvirat, ELP, Jethro Tull... Os primeiros discos do Genesis, Marillion... Lembro quando chegou lá o album Jazz do Queen, dificílimo de se achar por essas bandas. 

A Discotape era uma espécie de loja Lado B... De lugar alternativo, underground em meio ao popularesco que já começava a dar as caras. Muita saudade daquele lugar, era difícil ir lá e não voltar pra casa com uma bolacha embaixo do braço. Consegui nas minhas visitas os exemplares da coleção Atlantic Jazz. Saudades dos encontros com os amigos Otávio Neiva, Leonel Medeiros, Pedro Jácome, Emílio Honório... Simplesmente pra ouvir música encostados naquele balcão. Sem falar que muitos se iniciaram como músicos comprando instrumentos por lá. De fato a Discotape tem um lugar em nossas lembranças."


Fotos: Acervo Pessoal Edilson Morais (por Edson Vasconcelos)
Foto Original: (c) CÁCIO MURILO

“Venturosa Campina, querida, oh cidade que amo e venero...”

Traçar comentários à Campina Grande ante a ode de amor composta pelo professor Fernando Silveira em seu Hino Oficial, seria prover um texto redundante, haja vista a clareza com que o autor exulta o orgulho que cada habitante dessa “Canaã de leais forasteiros...” deve conter no peito.

Leais forasteiros, sim, pois desde sua pseudo-gênese, quando a tropa liderada pelo Capitão-Mor Theodósio de Oliveira Ledo aportou às margens do Riacho das Piabas, nosso Açude Velho, que Campina é Grande o bastante para acolher aqueles que carecem se utilizar da sua generosidade inata.

Na “...memória de índios valentes e singelos e alegres tropeiros” tentaram lhe nomear Vila Nova da Rainha, o que não vingou, nem em documentos oficiais: eis aí a força desse nome que faz nosso coração bater mais forte ao ouvi-lo pronunciado nos meios de comunicação quando é referendada pelos seus diferencias em nível nacional e, até, internacional!

Houve uma época em que a Rainha da Borborema comemorava seu auge, quando “...no teu povo, o progresso expande” era o mote que regia o processo de desenvolvimento que acompanhava sua cronologia natural.

“Tua glória revive, Campina, na imagem de homens audazes”, aqueles destemidos cidadãos, campinenses de corpo e de alma, de nascimento ou de adoção, que travaram batalhas em prol do engrandecimento dessa terra, não medindo esforços para fazer dessas “...serras de verdes vestidas” um lugar de pleno êxito no caminho ao futuro.

Coroada como Rainha da Borborema, abençoada por um clima espetacular e beneficiada por uma geografia que a torna o entreposto natural do estado da Paraíba, o “recanto abençoado do Brasil” comemora seu Sesquicentenário de Emancipação Política.

Torcendo sempre para que Campina não se limite a ser Grande apenas no nome, parabenizamos nossa estimada e valente cidade pelos seus 153 Anos!

Parabéns Campina, GRANDE!

Blog Retalhos Históricos de Campina Grande
Editores
Colaboradores


Ainda em comemoração a semana de aniversário de Campina Grande, apresentamos o excelente vídeo produzido pelos Estúdios ArtCom e site anotícia.tv, sob o comando do radialista Abílio José. 

Com imagens atuais de Flávio Evangelista, o vídeo apresenta um perfeito encaixe entre imagens do passado com seus referenciais no presente; trata-se de um registro espetacular em homenagem à Campina Grande para este 11 de Outubro de 2017.



Na semana dedicada às comemorações de mais um aniversário de Emancipação Política de Campina Grande, publicamos o emocionante vídeo elaborado pela colaboradora Mônica Torres, que utilizou técnicas de edição para produção de imagens de fotos e vídeos, inclusive dando movimento aos itens historicamente estáticos nas fotografias utilizadas, trazendo muita saudade nas lembranças de um tempo que não volta mais, na vida de todo cidadão campinense.

Segunda a própria Mônica, é um "Vídeo produzido apenas para entretenimento, Campina Grande - Retalhos de Saudade, é uma mostra de locais da cidade, retratados em cartões postais, fotos e trechos de filmes que revelam de forma romântica e pitoresca uma época antiga. O material usado neste clip, tem sua origem no acervo de cgretalhos.blogspot.com, gentilmente autorizado e que foi editado e montado por mim para ilustrar de forma pessoal, lembranças e outros flashes de recordações da infância".











Por Rau Ferreira


                               Em diversos documentos há referências à lei que denominou oficialmente a cidade Rainha da Borborema, atiçando-me a curiosidade de conhecer o seu conteúdo. E para a minha surpresa – diferente do que está disposto em sites de pesquisas e livros – havia um equívoco na numeração.
Acreditava até este momento – como muitos ainda pensam assim – que a lei que elevara Campina à categoria de cidade recebera o tombamento Nº. 137. Ledo engano! Na verdade, trata-se da Lei Provincial Nº 127, de 11 de outubro de 1864, que passo a transcrever-lhe o inteiro teor ipsi litteris com a grafia original da época:

LEGISLAÇÃO PROVINCIAL
LEI N. 127, de 11 de outubro de 1864.

Sinval Odorico de Moura, bacharel formado em sciencias jurídicas e sociaes pela academia de Olinda, official da imperial ordem da rosa, e presidente da província da Parahyba do Norte:

Faço saber a todos os reus habitantes que a assembléa legislativa provincial resolveu, e eu sanccionei a lei seguinte:

Artigo único. A villa de Campina Grande fica elevada à cathegoria de cidade, conservando a mesma denominação, e revogadas as disposições em contrário.
Mando portanto à todas as autoridades, a quem o conhecimento e a execução da presente resolução pertencer que a cumprão e fação cumprir e guardar tão inteiramente como nélla se contém.

O secretário desta província a faça imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo da Parahyba, em 11 de outubro de 1864, quadragésimo terceiro da independência e do império.
L. S.
Sinval Odorico de Moura”

Encontramos ainda no órgão oficial a carta de sua publicação, do teor seguinte:

“Carta de lei pela qual V. Exc. manda publicar a resolução d’assembléa legislativa provincial, que sanccionou, elevando á cathegoria de cidade a villa de Campina Grande, conservando a mesma denominação.
Para V. Exc. ver
Joaquim Gonsalves Chaves Filho, a fez.

Foi sellada e publicada a presente resolução nesta secretaria do governo da Parahyba, em 11 de outubro de 1864.

Joaquim Maria Serra Sobrinho”

A referida lei provincial foi registrada no livro competente, junto à Secretaria do governo da Parahyba, em 14 de outubro daquele ano pelo Sr. Joaquim Gonsalves Chaves Filho, 2º Oficial do Governo Provincial.


Referência:
- O PUBLICADOR, Jornal. Ano III, Nº. 641. ed. José Rodrigues da Costa. Edição de sexta-feira, 21 de outubro. Parahyba do Norte: 1864.




Em sua edição do dia 10 de março de 1888, o jornal "A Pronvíncia de São Paulo" que, mais tarde, viria se tornar "O Estado de São Paulo", o popular 'Estadão', publicava em nota a criação do Club Abolicionista de Campina Grande, que lutaria em defesa da libertação de escravos no Município.

A nota atenta para a figura do dr. Chateaubriand Bandeira de Mello, médico local, como o presidente do club.

Abaixo, a transcrição da nota:

"Na cidade de Campina Grande (Parahyba) foi instalado um club abolicionista afim de promover a libertação de pouco mais de 300 escravos que conta o município.
A reunião acclamou presidente do club o dr. Chateaubriand Bandeira de Mello, distincto clínico da localidade e dedicado abolicionista.
Foram libertados 39 escravos no acto da instalação do club e houve grandes demonstrações de regosijo da população."

Dr. Chateaubriand era médico, natural de Cabaceiras-PB, serviu a sociedade de Campina Grande, sendo considerado o mais antigo profissional a exercer a medicina em nossa cidade, segundo o Anuário de Campina Grande 1925.





O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural estará reunido, no próximo dia 27 de setembro, quando irá avaliar a inclusão de novos bens na lista de Patrimônio Cultural Brasileiro. Na pauta da 87ª reunião estão as propostas de tombamento da Ladeira da Misericórdia, no Rio de Janeiro (RJ), da coleção Nemirovsky, em São Paulo (SP), e o pedido de registro da Feira de Campina Grande, na Paraíba, como Patrimônio Cultural do Brasil. A reunião será no Edifício Sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília.

A primeira reunião do Conselho Consultivo este ano foi em abril, quando foi revalidado o registro da Arte Kusiwa – Pintura Corporal e Arte Gráfica Wajãpi como Patrimônio Cultural do Brasil. Na ocasião, os conselheiros e a presidente do Iphan, Kátia Bogea, celebraram os 80 anos de criação do Instituto, relembrando a própria trajetória do Conselho, idealizado por Mário de Andrade em 1936 quando elaborou o anteprojeto do Iphan. Também em 2017, no dia 22 de junho, o Conselho aprovou o tombamento do Conjunto Histórico do Arquipélago Fernando de Noronha (PE).


Quando lemos ‘Genival Cassiano dos Santos’... Nos indagamos: “Um homem, um nome... mais um?!”

“Mais um”, não! Esse tal ‘Cassiano’ é um dos maiores nomes da MPB; cantado, reconhecido e reverenciado por grandes nomes do cenário musical nacional, um dos fundadores da moderna música negra brasileira.

Genival Cassiano, ou simplesmente Cassiano, como ficou conhecido no meio artístico, é cantor, compositor e guitarrista, e para surpresa de muitos, nasceu em Campina Grande em 16 de Setembro de 1943.

Morou pouco tempo na Rainha da Borborema. No final da Década de 1940, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro - mas das poucas lembranças dessa época, é marcante a amizade que havia entre seu pai e o ritmista Jackson do Pandeiro.

Foi seu pai quem lhe ensinou as primeiras noções de violão e bandolim.

Já na Cidade Maravilhosa lutou pela sobrevivência junto à sua família, tendo trabalhado como servente de pedreiro. Mas, as aulas recebidas do seu pai lhe abriram as portas para iniciar sua carreira artística na Década de 1960.

Aos 21 anos, fundou o grupo ‘Bossa Trio’, tocando pelas noites do Rio de Janeiro e São Paulo. Mais tarde, no entanto, o ‘Bossa Trio’ deu origem ao grupo vocal “Os Diagonais”, que passou a acompanhar o cantor Tim Maia desde o início. O estilo vocal marcante do grupo lhe permitiu gravar alguns LPs pela gravadora RCA.

Influenciado tanto pela ‘soul-music’ norte-americana de Otis Redding e Stevie Wonder bem como pelo samba-canção de Lupicínio Rodrigues, foi um dos precursores do gênero ‘soul’ no Brasil, a moderna música negra brasileira, que ficou conhecida como ‘Black Rio’.

No ano de 1969, participou como guitarrista no primeiro disco lançado por Tim Maia. Nesta mesma obra, Tim Maia cantou dois dos maiores sucessos da ‘hit parede’ nacional não só daquele ano, como de toda a História da MPB, as músicas “Eu Amo Você” e “Primavera” – É aquela mesma; “Quando o inverno chegar, eu quero estar junto à ti...”, composições de autoria de Cassiano, junto à Sílvio Roachel!

Ainda que tenha gravado o LP “Apresentamos o Nosso Cassiano”, em 1973, pela gravadora Odeon, foi em 1976 que alcançou o ápice como cantor e compositor, quando interpretou seus maiores sucessos (letra em parceria com Paulo Zdanowski), as músicas “A Lua e Eu” (1976)”, tema da novela “O Grito” e, no ano seguinte com “Coleção”, incluída na trilha sonora da novela “Locomotivas”, ambas da Rede Globo de Televisão.

Como intérprete em carreira solo, lançou os LPs: “Cassiano, Imagem e Som” (1971, RCA), “Apresentamos Nosso Cassiano” (1973, Odeon) e “Cuban Soul — 18 quilates” (1976, Polydor).

Em 1978 interrompeu a carreira de intérprete por motivos de saúde, mas continuou compondo sucessos como  “Mister Samba”, gravado por Alcione, e “Morena”, por Gilberto Gil. Voltou a gravar em 1991, quando participou do ‘songbook’ da editora Lumiar dedicado a Noel Rosa e lançou o LP “Cedo ou Tarde” (Columbia), com participação de Ed Motta, Sandra de Sá, Marisa Monte, Djavan entre outros, que mesclou antigos sucessos e composições inéditas como “Know-how”.

De acordo com os amigos, Cassiano – hoje - mora em um modesto apartamento no bairro carioca do Flamengo e vive dos direitos autorais de suas canções. Já que as músicas de sua autoria nunca deixaram de ser sucesso. Recentemente o grupo de pagode Pixote regravou “A Lua e Eu” e a cantora Ivete Sangalo incluiu a música “Postal” em um dos seus novos CDs.

Este ilustre campinense pouco conhecido por sua origem, mas muito reverenciado pela classe artística nacional, sonha com uma volta aos discos, mesmo sabendo que é difícil competir com a banalidade dos gêneros “comercialmente viáveis” que hoje imperam no mercado musical brasileiro.

"Se Tim Maia é a voz dessa nova escola (Black Rio), a sua grande cabeça é o compositor Cassiano!" (Nelson Motta, Produtor Musical)

Apresentamos nosso Cassiano - Odeon 1973

http://veja.abril.com.br/251000/p_180.html;

Contando com a dica do leitor Sandro Sousa, que nos enviou por e-mail o link para o vídeo abaixo, que corresponde à Coluna de Nelson Motta do dia 04 de Dezembro de 2009, homenageando o precursor da soul music no Brasil, o grande letrista Genival Cassiano, Gente da Gente!



Release oferecido pelo Gabinete da Assessoria do Vereador João Dantas

Utilizei a tribuna da CMCG para tratar sobre o requerimento de nossa autoria que solicita ao prefeito Romero Rodrigues, a realização de estudos no sentido de transferir para uma área pública, uma obra de arte na forma de mural elaborado em azulejos, de autoria do arquiteto Tertuliano Dionísio, localizada na antiga sede do Banco Industrial de Campina Grande no Edifício Rique.

A proposta surgiu em atendimento a solicitação de alguns memorialistas representados na pessoa do membro do Instituto Histórico de Campina Grande, Emmanuel Sousa, com subsídios retirados do Blog Retalhos Históricos de Campina Grande, que, sempre atentos e preocupados com a preservação da nossa história, levou a reivindicação para o seu gabinete.

Esclareci que Campina Grande se destacava nacionalmente pela existência do seu próprio banco. “O Banco Industrial de Campina Grande, de propriedade da tradicional família Rique, tinha sua sede nacional localizada no Edifício Rique na Rua Venâncio Neiva”.

Ao longo da sua História, o Edifício Rique conta com a presença de uma obra de arte na forma de um mural elaborado em azulejos, de autoria do arquiteto Tertuliano Dionísio. O painel encontra-se na parede interior onde ficavam os caixas do extinto Banco Industrial e, posteriormente, o Banco Mercantil do Brasil. Hoje é uma parede desprezada pela loja de eletrodomésticos que ocupa atualmente o espaço.

O painel retrata o cenário histórico municipal, onde se destaca a cultura do algodão, principal fonte da riqueza dos Rique.

Nossa sugestão consiste na verificação da viabilidade técnica, por parte da Prefeitura Municipal, de se retirar o mural/painel do local onde ainda se encontra, no interior do Edifício Rique, na loja de eletrodoméstico, e transferi-la, talvez precisando ser remontada como um quebra cabeças, em uma área pública, como o Parque Liberdade, ou algo a ser criado no Aluísio Campos.



Ainda nos beneficiando dos tesouros postados por Walter Tavares, destacamos a bela foto do acervo de Edson Vasconcelos, que nos mostra um ângulo em que é possível de diferenciar a Praça Clementino Procópio em seu prolongamento triangular à partir do Abrigo Maringá como vértice, onde antes havia casario e a antiga Usina de Luz na base, transformando em uma área quadrangular.

O Abrigo Maringá, que aparece no canto direito da foto foi obra do engenheiro Austro França, Secretário da PMCG, na gestão Elpídio de Almeida. 

Detalhe curioso para os observadores da foto, a figura de um padre atravessando a rua Miguel Couto, em direção à calçada do antigo Posto Esso!

Em sua descrição, em postagem no perfil social, Walter Tavares diz:

"A Praça Clementino Procópio, inaugurada em 1936, com o seu espetacular estilo arquitetônico em art déco, era simplesmente LINDA. Obra do prefeito Bento Figueiredo, esta foto de 1950, mostra a Praça ainda no seu formato original, antes das sucessivas reformas que descaracterizaram, por completo, toda área a partir do final dos anos 1960. Outras reformas nos anos 70 e 80 acabaram com todo vestígio em art déco da antiga praça. Ao fundo, o Cine Capitólio, também em art déco, ainda na sua arquitetura original." 
Fotos Google: Ruas Carlos Agra e Manoel Pereira de Araújo (Feira Central)

(por Uelba Alexandre do Nascimento)

Durante todos os anos 1920 o local onde se concentrava o maior número de prostitutas e casas de pensão em Campina Grande era a antiga rua 4 de Outubro, atual Major Juvino do Ó, mais conhecida popular e sugestivamente como “Rói Couro”. Era uma das ruas centrais da cidade que ficava relativamente próxima as ruas mais freqüentadas pelas elites, como a rua Grande por exemplo. Essa proximidade incomodava, especialmente porque as mulheres circulavam e se exibiam muito próximas as “famílias de bem” e repugnavam os letrados, fazendo com que eles carregassem nas tintas e pedissem insistentemente para as autoridades a transferência do meretrício daquele local para um mais afastado.

Como os pedidos eram muitos e a solicitação de tomadas de providência por parte dos prefeitos da cidade eram constantes, as prostitutas foram transferidas nos primeiros anos da década de 1930 para a região dos Currais, onde funcionava a feira de gado da cidade. Este local era uma área ainda marcadamente rural e pouco habitada, formada por pequenas casinhas e sítios cobertos de mato. O núcleo central desta área ficava a pouco mais de 100 metros da Vila Nova da Rainha, antiga rua das Barrocas(local em que se deu a origem do sítio que mais tarde se transformou em Campina Grande) e uns 300 metros da Igreja Matriz.

O local para onde se dirigiram as prostitutas e sua corte foi chamado de Mandchúria ou Bairro Chinês, numa provável associação com o episódio da invasão japonesa a região da Mandchúria na China por volta de 1931: “A transferência dos cabarés para os currais foi simbolicamente associada àquela invasão, talvez porque assim compreendessem os moradores que naquelas proximidades viviam, quando da chegada, ou “invasão”, da área pelas prostitutas e seus séqüitos. Chegaram àquele lugar, que até então concentrava boiadas e negociantes, raparigas mal-vestidas, marafonas, gigolôs, boêmios, cafetinas e cáftens, como invasores a ocupar e dividir o lugar com matagais, boiadas, cavalos, burros, merda e muito mau cheiro.” 

Foram transferidas, segundo José Américo de Almeida, mais de 600 putas que “sifilizavam” os sertões da Paraíba.

Com as reformas ocorridas no centro da cidade a zona foi transferindo-se para as proximidades da feira central, entre as ruas Marcílio Dias, 12 de Outubro (atual Carlos Agra), Quebra Quilos e Manoel Pereira de Araújo (antiga 5 de Agosto), que comportava os melhores cabarés da cidade, ficando conhecida por “Rua Boa”. Segundo alguns memorialistas, a rua era “um esplendoroso mercado de luxúrias, que sobrevivia graças a um tipo de comércio confiscado pelas leis divinas, mas legalizado pela liberdade inconsciênte dos humanos.” Havia também a chamada rua da Pororoca, nas proximidades da Maternidade Elpídio de Almeida, que era conhecida e nomeada pelos seus freqüentadores como “Boa Boca”, onde se encontrava um dos mais conhecidos cabarés da cidade que era o de Maria Pororoca, eternizada na música de Jackson do Pandeiro juntamente com Josefa Tributino e Carminha Villar:

Oh linda flor, linda morena,
Campina Grande minha Borborema
Eu me lembro de Maria Pororoca,
De Josepha Tributino e Carminha Villar
Bodocongó, Alto Branco, Zé Pinheiro
Aprendi tocar pandeiro nos forrós de lá...

A zona permaneceu forte ali até o final da década de 1940, quando o comércio do algodão entrou em decadência e também pela retirada dos contingentes militares da cidade após o fim da II Guerra Mundial. Logo se transferiu novamente para o centro, para a região conhecida como Boninas, onde lá permaneceu por volta das décadas de 1950, 1960 e 1970, mas sem o mesmo encanto dos anos anteriores.

Por fim, foram surgindo no final da década de 1930 e início da década de 1940 outros locais de prostituição em Campina Grande nos bairros de José Pinheiro, Liberdade, local que era conhecido como “Deserto” 29 e Bodocongó, especialmente na Arrojado Lisboa e nas proximidades da conhecida “Volta do Zé Leal”, que segundo o memorialista Antonio Calixto, o local ficou conhecido como “Boca Quente”, por causa das constantes batidas policias ocasionadas pelos conflitos que lá ocorriam.

Íntegra do trabalho, disponível em:
http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300668302_ARQUIVO_Mandchuria-ObairrochinesdeCampinaGrande-PB.pdf

Fotos Google: Antigo Casino Eldorado - Feira Central 
Detalhe no Endereço dado ao Casino Eldorado em seu Projeto Arquitetônico: 'BAIRRO CHINEZ'
Acervo Público Municipal - PMCG


Certamente esta foto se insere naquele seleto grupo de "uma das fotos mais raras já postadas neste Blog".

Do baú do memorialista Walter Tavares, a quem credita a imagem para a Década de 1920, nos apresenta a Rua Marquês do Herval, em seu Largo do Rosário... como o próprio nome já designa, trata-se da área frontal à Igreja da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, construída em 1831; tudo ainda desprovido de qualquer infraestrutura urbana, como diríamos, "no chão"! 

Anos mais tarde, este largo dará lugar à Praça Índios Cariris (1929) que acolherá em sua área a agência dos Correios e, ao lado, a Praça José Américo que, tempos depois, e várias reformas, serão unidas como a Praça da Bandeira.

O imóvel ao extremo direito da foto, de janelões, viria ser o Instituto Pedagógico Campinense, que também evoluiria para ser o Colégio Alfredo Dantas. E, lá no final, no centro da foto ao lado esquerdo da Igreja, vemos parte da antiga Casa de Cadeia!

A antiga Igreja do Rosário foi demolida em 1940, na polêmica reforma urbanística empreendida na gestão do prefeito Vergniaud Wanderley, para o prolongamento da avenida Floriano Peixoto. 
O dia 11 de setembro de 2001 ficou marcado na mente de todos com as trágicas e comoventes imagens distribuídas para todo o globo terrestre pelas emissoras de televisão, inclusive em tempo real, dos ataques aéreos que destruíram as "Torres Gêmeas" do "World Trade Center", em Nova York.

Segundo fontes oficiais do Governo Norte-Americano, os ataques foram provocados por terroristas que faziam parte do grupo de fundamentalistas islâmicos denominados Al-Qaeda, liderados por Osama Bin Laden.

Aqui no Brasil, como em todo o mundo, a imprensa nadava em notícias para cobrir os acontecimentos e aos jornais impressos sobejavam excelentes fotos para estampar qualquer primeira página!

Em Campina Grande não fora diferente e a imprensa local trabalhou arduamente para noticiar o fato. Como mérito, o Diário da Borborema, fundado em 02 de Outubro de 1957, pelo jornalista paraibano Assis Chateaubriand, foi vencedor do Prêmio Esso de Jornalismo (concorrendo com grandes jornais da imprensa nacional) na categoria "Prêmio Esso Especial de Primeira Página".

Capa Vencedora do Prêmio Esso de Jornalismo (2001)


Um dos pontos nostálgicos da Campina Grande de outrora é, sem dúvida, o antigo carrossel que havia na Praça Clementino Procópio, um dos locais de passeio público mais visitados pelas crianças de gerações pretéritas.

Rosimar Miranda, em contribuição enviado ao BlogRHCG, no Facebook, nos enviou do seu acervo particular uma bela recordação que tocará muitos dos nossos leitores.

A foto é de 1962 e, em primeiro plano vemos um dos carrinhos do carrossel, que ela trata como "os carrinhos de D. Maria" e, logo atrás dela, a outra criança é Emmanuel Augusto Miranda.

Como ela mesma descreve, ao fundo as propagandas da Vodka Autêntica e da Cera Parquetina. Nós acrescentamos que a casa em que aparece parte na foto ainda encontra-se de pé (miraculosamente), situada na Rua Treze de Maio, e era de propriedade do Sr. Lívio Wanderley, dono do Cine Capitólio.
 
"De tudo o que ví no blog, esta é a foto que mais me emociona. Quando atravesso célere as amarras do tempo em preto e branco, somente vencidas pela lembrança, ...é aí que me detenho, na vertente direita, rumo ao carrossel que colorí, guiada pela saudade."
Abraços, Mônica Torres.

Mônica, este seu trabalho ficou de "arrepiar", nós é que agradecemos tamanha dedicação.

(Equipe RHCG)

O baú de memórias de Walter Tavares é algo espetacular e surpreendente. Não só pelas imagens que ele nos traz, como pela descrição que lhes contextualiza.

A foto acima é da lateral do Açude Novo, o sangradouro, na Rua Lino Gomes, onde hoje se encontra a placa em alvenaria do Parque do Povo.

"Em abril de 1963 o Açude Novo, já sem o seu espelho d'água, com serviços de drenagem e colocação de galerias para o escoamento das águas no governo do prefeito Newton Rique. A foto mostra exatamente onde hoje começa o Parque do Povo, e a parte de cima com a rua que hoje divide o Parque do Povo com o Parque Evaldo Cruz, em direção à rua Treze de Maio. Toda essa área era popularmente como conhecida como "as Imbiras", no bairro de São José." (Walter Tavares)

Abaixo, uma panorâmica do local, quando o Açude Novo ainda tinha água, visto pelo ângulo da Rua Treze de Maio:


Em comemoração ao 7 de setembro, recuperamos dois vídeos históricos de nossa cidade. São os desfiles dos anos de 1974 e 1978, do arquivo particular de Mario Vinicius Carneiro Medeiros. Apesar de não ter uma boa qualidade técnica pois são filmagens amadoras, podemos ver a importância que esses desfiles tinham em nosso passado, com as Escolas promovendo uma verdadeira competição entre si. Os desfiles foram realizados na rua Marquês do Herval no Centro e podem ser assistidos clicando-se abaixo:




Se quiserem assistir a outro vídeo de 7 de setembro já postado no blog é só clicar AQUI. Além do material dessa postagem, o RHCG tem um amplo acervo de fotos sobre o tradicional evento, que podem ser procuradas através de nosso mecanismo de pesquisa.
Mais um registro de desfile de 7 de setembro disponibilizado pelo RHCG. Resgatamos das páginas da "Gazeta do Sertão", a reportagem sobre a "parada" de 1981:





 
BlogBlogs.Com.Br