Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?


A foto acima mostra, claramente, o Teatro Municipal Severino Cabral ainda em fase de construção.

Inspirado na figura de um apito, a estrutura do teatro foi idealizada pelo arquiteto campinense Geraldino Duda, sua inauguração ocorreu no dia 30 de Novembro de 1963 com solenidades protocolares de praxe pela manhã e, à noite, contou com a primeira apresentação artística promovida pelo ator José de Vasconcelos (o Rui Barbosa Sa-Silva da Escolhinha do Professor Raimundo), um dos maiores humoristas do rádio naquele momento no Brasil.


O Teatro Municipal Severino Cabral recebeu, em seus 49 anos de existência, apenas três reformas em suas instalações: a primeira em 1975, na administração do prefeito Evaldo Cruz  a posterior, em 1988, com a conclusão definitiva dos arcabouços projetados, no último ano de gestão do prefeito Ronaldo Cunha Lima, e a última na atual gestão do prefeito Veneziano Vital.

Uma lembrança cômica da sua gênese, provavelmente é mais um causo atribuído a Seu Cabral, foi o fato de que um assessor do então prefeito Severino Cabral ter sugerido que ele homenageasse um profissional do setor artístico para nominar o Teatro, tentando demovê-lo da ídéia da auto-promoção.

O velho "Pé-de-Chumbo" retrucou, insinuando que Plínio Lemos não jogava nada de futebol e pôs seu nome no Estádio Municipal construído no bairro de José Pinheiro.

Nascia, naquele momento, o Teatro Municipal Severino Cabral!



Fonte Consultada:
"É Fé no Povo, e Pé no Chumbo" (José Nêumanne Pinto)
 
Anexos:

Reportagem do Diário da Borborema sobre a inauguração do Teatro:



Vídeos:

Vídeo Histórico da Inauguração do Teatro (Filmagem de José Cacho) - Acervo: William Cacho:


Reportagem sobre a história do Teatro Municipal:


Reportagem com o arquiteto do Teatro:


Reinauguração do Teatro em 2011:

 

Vídeos das Reportagens: TV Itararé e TV Paraíba
Graças a colaboração do colecionador musical Manoel Leite, resgatamos duas edições do programa "Momento Junino" da TV Borborema, programa este apresentado por Abílio José. O Momento Junino já virou um evento a parte durante o "Maior São João do Mundo" e já teve se apresentando no Canal 9, nomes do quilate de um Dominguinhos, Flávio José, Santana, Mastruz com Leite, Cavalo de Pau, Jorge de Altinho, Marinês e outros ícones de nossa música nordestina.

O ano que disponibilizamos hoje é 2003 e nos vídeos abaixo, o segundo programa daquele ano, que contou com a participação dos Três do Nordeste, Sirano e Sirino, além de outros artistas regionais e com a presença do então Governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima:




No terceiro programa da temporada 2003, o Momento Junino teve a participação de Jorge de Altinho e a Rainha do Xaxado, Marinês, além de outros personagens do cotidiano nordestino:


Mais um retalho do passado da tv campinense...
por Rau Ferreira
 
Este gênero literário que se popularizou no Brasil na segunda metade do Século XIX, encontrou em Campina terreno fértil para sua produção. Por aqui passaram grandes repentistas e poetas de bancada que ganharam as feiras, ruas e até as cátedras das universidades, onde a sua riqueza cultural é objeto de estudos.
Até bem pouco tempo podiam ser vistos nas praças e nas ruas, ou nas bancas de feiras durante os sábados, a exemplo de Toinho da Mulatinha.

Do passado glorioso, contudo, lembramos cantadores como Francisco das CHAGAS BATISTA, que se mudou para esta cidade em 1900, onde trabalhou carregando água e lenha e foi operário da Great Western, iniciando sua produção dois anos depois. Entre seus muitos títulos, escreveu a VIDA DE ANTONIO SILVINO (1904):
Eu o fio do telégrafo
No mesmo dia cortei
Em dez ou doze lugares;
Depois avisar mandei
A polícia de Campina
E com os meus me ocultei...”.
                     (A vida de Antonio Silvino: 1904).

Francisco de SALES ARÊDA, natural dessas paragens, nascido em 1916, que iniciou nessa arte no ano de 1946 com O CASAMENTO E HERANÇA DE CHICA PANÇUDA COM BERNARDINO PELADO e também o ENCONTRO DE MANOEL MOLE COM O NEGRO CHICO, cujo embate se deu “quando Campina Grande ainda era povoação”, pela famosa Folheteria Luzeiro do Norte

Nesta cidade, havia agentes especializados na rua Santo Antonio e também na redação d’O Rebate (jornal que era editado na rua Monsenhor Sales, 36), responsáveis por vender e divulgar os folhetos de cordéis.

 
Campina também foi sede da FOLHETERIA SANTOS, que se autodenominava “Estrêlla da Poesia”, cujas filiais funcionaram nas ruas Cristovão Colombo e Santo Antonio. Segundo o seu proprietário Manoel Camillo dos Santos:

A folheteria Santos (...) mantém um variado sortimento de folhetos e romances, com grande desconto aos revendedores, e remete pelo correio, qualquer pedido para qualquer parte do Brasil, mediante a importância do pedido, pelo registrado. Não tendo reembolso”.

Com mais de quinze anos de publicação folclórica “registrada e integrada no quadro das tipografias e editoras estabelecidas no país, pela Biblioteca Nacional”, se destacava a editora por ser BBBB (bons, baratos, bonitos e bem feitos).

Foi nesta casa tipográfica que João Melquíades Ferreira editou a “Estória do valente sertanejo José Garcia”, onde mostra Campina era um centro de comercialização de gado.

Não podemos nos esquecer da valorosa contribuição de Átila Almeida e José Alves Sobrinho, que resgataram muito desta poesia, velhos cantadores e suas histórias em seu livro DICIONÁRIO BIBLIOGRÁFICO DE POETAS POPULARES (1975), que se tornou um grande referencial em matéria de cordel.

Esta cidade ainda foi palco da PELEJA DE JOÃO DE ATAHYDE COM JOSÉ PACHECO, que rendeu um importante registro de 1941, ressaltando a importância que esta cidade tinha para os cantadores populares. E do temido JOÃO BENEDITO, poeta de Esperança que costumava rimar com o tempo.

Marcando sua presença neste Município, temos ainda José Soares que ficou conhecido como O POETA REPÓRTER, que muito contribuiu para a preservação desta literatura. Em Campina, produziu muito, e entre os diversos folhetos está O MORTO VIVO (1957).

Naquele mesmo ano, publicava Manoel Pereira Sobrinho o cordel CACHORRO TONI. Antes, porém, havia escrito a incrível saga do CONDE DE MONTE CRISTO (1955). Este mesmo cidadão trabalhou em Campina nos idos de 1948-1956 como editor de folhetos, segundo consta na página três de sua obra A ESCRAVA DO DESTINO.


 A lista não pára por aqui. Existem muitos outros autores e poetas, mas para não ficar cansativa a leitura deixemos para outra oportunidade. Boa parte deste material encontra-se disponibilizado no site da Fundação Casa de Rui Barbosa em http://www.casaruibarbosa.gov.br/cordel/


Referência:
- ALMEIDA, Átila e SOBRINHO, José Alves. Dicionário biobibliográfico de poetas populares. 2ª ed. Campina Grande/PB: 1990.
- ARÊDA, Francisco de Sales. O casamento e herança de Chica Pancuda com Bernardino Pelado: 1946.
- BATISTA, Francisco das Chagas. Cantadores e poetas populares. Vol. XXI. Coleção Biblioteca Paraibana. 2ª Ed. Conselho Estadual de Cultura – SEC: 1997.
- CASCUDO, Luiz da Câmara. Vaqueiros e cantadores: folclore poético do sertão de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. Vol. 6. Ed. Globo: 1939.
- CHAGAS BATISTA, Francisco. A vida de Antônio Silvino: 1904.
- CURRAN, Mark. História do Brasil em Cordel. 2ª ed. Editora da USP. São Paulo/SP: 2003.
- FILHO, F. Coutinho. Repentistas e glosadores: Poesia popular do nordeste brasileiro. Ed. A. Sartorio & Bertoli: 1937.
- SANTOS, Manoel Camilo dos. Rico sem ter dinheiro. Literatura de cordel. Campina Grande/PB: 1959

por Rau Ferreira
 
Poucos ousaram imaginar que Campina se tornasse a Capital da Parahyba. Mas isso quase foi possível em 1930, por ocasião do movimento denominado de “Revolta de Princesa”.

O governo pretendia concentrar todas as forças de que dispunha naquela cidade para assim resistir ao levante.

A situação era tão tensa que João Pessoa enviou para Campina um avião para ser usado naquela ocasião. O artefato bélico que media seis metros de comprimento chegou desmontado em um caminhão, onde um pequeno campo de pouso foi improvisado. 

Havia, inclusive, notícias de que o Município – “a perola dos sertões parahybanos, talvez a melhor de todas as cidades dos sertões nordestinos” – viesse a ser atacada. Assim noticiava o DIÁRIO DA NOITE, dirigido por Assis Chateaubriand.

O almejado sonho campinense não veio a concretizar-se, apesar do título de grande empório do seu Estado.


Referências:
-  DIÁRIO CARIOCA, Jornal. Ano III, N. 550. Edição de 20 de maio. Rio de Janeiro/RJ: 1930.
- DIÁRIO DA NOITE, Ano II, Edições de 19 de maio, 06 de junho, 13 de agosto. Rio de Janeiro/RJ: 1930
Dos arquivos do "Estado de São Paulo", uma reportagem de 15 de julho de 1978 sobre a visita do General Euller Bentes Monteiro a Campina Grande (Cliquem para ampliar):



O Projeto de Lei 161/2006, de autoria do então vereador Paulo de Tarso Medeiros, aprovada por unanimidade pelos demais integrantes da Câmara Municipal de Vereadores, estabeleceu que o Brasão Oficial de Campina Grande seria, a partir da sua sanção, a marca oficial da administração pública municipal, em detrimento às tradicionais logomarcas que desobeciam ao Princípio da Impessoalidade na Gestão Pública.

Elencamos alguns exemplos de marcas de governos pretéritos resgatados em nosso material de pesquisa e acervo próprio, que caracterizaram alguns gestores que desempenharam função administrativa junto ao Poder Executivo de Campina Grande ao longo dos últimos anos.

Governo Newton Rique ( 30/11/1963 a 15/06/1964 )

Governo Evaldo Cruz (31/01/1973 a 31/01/1977)

Governo Enivaldo Ribeiro (31/01/1977 a 31/01/1983)


Governo Ronaldo Cunha Lima (31/01/1983 a 01/01/1989)



Governo Cássio Cunha Lima I (1988-1992)

Governo Félix Araújo Filho ( 01/01/1993 a 31/12/1996)

Goveno Cássio Cunha Lima II (01/01/1997 a 05/02/2002)

Governo Cozete Barbosa (06/02/2003 a 31/12/2004)

Governo Veneziano Vital (01/01/2005 a 31/12/2008)


É COM MUITO PRAZER, ORGULHO E ALEGRIA QUE ANUNCIAMOS QUE O BLOG RETALHOS HISTÓRICOS DE CAMPINA GRANDE É FINALISTA DO PRÊMIO TOP BLOG 2012!!

ESTAMOS ENTRE OS TRÊS BLOGS (TOP3) MAIS VOTADOS NA CATEGORIA JURI POPULAR, NA CATEGORIA ARTE/CULTURA, EM TODO O BRASIL.

AO PASSO EM QUE AGRADECEMOS IMENSAMENTE PELA SUA PARTICIPAÇÃO NESSE INTENTO, AGUARDEMOS O RESULTADO FINAL DO CERTAME, EM 08/12/2012.

por Rau Ferreira
 
No ano de 1958 o Treze F. C. enfrentou duas vezes o Estrela do Mar. O primeiro jogo aconteceu no dia 19 de janeiro no PV, apitando Otacílo Flor o resultado de Treze 5 x 2 Estrela, dois quais Ruivo e Maisnovinho marcaram dois cada um, e Bé balançou a rede uma vez. Para essa partida, o Galo entrou em campo com Chico, Gavião e Nelson; Joab, Manoelzão e Milton Negrinho; Mario II, Bé, Geraldo, Ruivo e Maisnovinho.

A revanche estava agendada para o dia 10 de setembro do mesmo ano. As duas agremiações apresentaram um bom futebol, exigindo a equipe pessoense grande esforço do alvi-rubro de Campina. 

A crônica futebolística da época colocava o “Galo” como a melhor e mais positiva equipe do Estado, que apesar deste título precisou suar a camisa para ganhar dos “Estelas” pelo score de 4 x 2. 

A intermediária galista foi quem decidiu a partida, Gonzaga fez dois gols e Joab fez 1, recompensando as infiltrações adversárias de Valdeci, Edmilson e Coêlhinho, que conseguiram driblar a dura marcação dos Estrelas pelas laterais.
Após a contusão de Carinho, os atletas da capital não se encontraram mais em campo que teve uma derrota honrosa pelo excelente futebol que demonstrou no PV.

Bé ainda marcou pelos trezeanos, enquanto que Edmilson e Adjalmir abriram o placar para os estrelas.

“Não, a vitória do TREZE, se bem que cavada arborosamente e com 3 tentos que Gilberto deixou passar quando bem poderia defendê-los, não carece de modo algum dúvidas. (...) os cracks do TREZE tiveram ontem o que faltou na equipe de João Pessoa: CATEGORIA” (Fernando Maia, comentarista).

A súmula ficou assim definida:

Jogo: 10/09/1958 (amistoso) - Estádio: Presidente Vargas - Juiz: Almeida Passos (com bom trabalho) - Renda: Cr$ 31.000,00 – Público: 1.253

Escalação - TREZE: Pelado, Gavião e Nelson, Joab, Gonzaga e Cirilo, Pedro, Bola 7, Bé, Ruivo e Josias (Guedes); ESTRELA: Gilberto (Fernando), Lagarteiro e Pinheiro, Coelhinho, Carrinho e Hermes, Adjalmir, Valdeci e Edmilson.

Nesse meio tempo, o Técnico Janos Tatrai acertava os últimos detalhes para a partida contra o América de Recife. 

A equipe de Pernambuco - que contratara o atacante galista Mário - tinha o compromisso de assumir um jogo pelo pagamento de seu passe, mas o Campinense Clube também se mostrava interessado em disputar um amistoso com o alvi-verde pernambucano, que deveria acontecer antes no sábado anterior ao jogo do Galo.

 
Referências:
- A UNIÃO, Jornal. Edição de 12 de setembro. João Pessoa/PB: 1958.
- RHCG, Blog. Disponível em http://cgretalhos.blogspot.com.
- TREZE GALO: O ARQUIVO HISTÓRICO DO TREZE FUTEBOL CLUBE. Disponível em: http://www.trezegalo.xpg.com.br/1958.html.
por Rau Ferreira
 
Nasceu ELPÍDIO Josué de ALMEIDA na cidade de Areia, mas preferiu radicar-se na Cidade Rainha da Borborema. Formado em Medicina pela UERJ, aportou em Campina em dezembro de 1925, para integrar o corpo médico do Posto de Profilaxia Rural "Lafaiete de Freitas".

Com 36 anos foi eleito Conselheiro Municipal e, por suas vezes prefeito desta Cidade (1947/51 e 1955/59), assumindo ainda uma cadeira na Assembléia Federal em 1951.

Como adido cultural, participou da criação da Revista Campinense de Cultura lançada em comemoração ao centenário de Campina Grande, e escreveu duas obras de grande importância: “Areia e a abolição da Escravatura: o apostolado de Manoel da Silva” (Oficinas gráficas do Jornal do Commercio, 1946) e “História de Campina Grande”, que é o nosso foco.

O livro – editado pela LIVRARIA PEDROSA e impresso no Recife em 1962 - trás o prospecto da cidade desde a antiga Aldeia Velha até o período revolucionário de ‘30. Contém 424 páginas, divididas em 32 capítulos, com destaque para a sua origem, vultos e personalidades. 

Em seu prefácio, enfatiza o autor:
“(...) impunha‐se a elaboração deste trabalho, sem mira a prêmio ou ajuda oficial, como contribuição espontânea às festividades de 1º centenário da cidade, a comemora‐se em 11 de outubro de 1964. Como realizá‐las com afeição e ufanias sem um caderno descritivo do seu passado? Sem um depoimento exato sobre os homens que a fundaram? Sem uma narrativa dos principais sucessos ocorridos em seu território, desde o tempo da fundação da aldeia, velha de quase três séculos? Aparece essa publicação para evitar a falha” (Elpídio de Almeida).

O compêndio destaca a dificuldade no abastecimento d’água e a seca no primeiro século, os fatos políticos – como as Câmaras que dirigiram o Município de 1853 a 1866, e as que sucederam até 1930 – os acontecimentos até a Proclamação da República (1889), o surgimento do Grupo Escolar “Solon de Lucena” (1924), dentre outros aspectos:

A água para as necessidades domésticas era difícil, mas com despesa e trabalho se obtinha. As fontes do Lozeiro, não muito distante, acudiam aos habitantes nessas emergências” (págs. 119 e 159).

Em Campina, foram muitas as homenagens ao médico areiense que instalara seu consultório na Av. Marechal Floriano, citemos: A maternidade municipal, o viaduto na entrada da cidade e a denominação do instituto histórico campinense.
Elpídio é patrono das Cadeiras n° 11, da Academia de Letras de Campina Grande; e n° 5 do IHGP.


Referências:
-  SILVEIRA, Regina Paula Silva da. O papel de Elpídio de Almeida para a construção da história de Campina Grande. IX Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil”. Realizado em 31/07 à 03/08/2012. ISBN 978-85-7745-551-5. Disponível em <http://www.histedbr.fae.unicamp.br>. Acesso em 08/11/2012.
- ELISIÁRIO, Ailton. Doutor Elpídio. Disponível em <http://paraibaonline.com.br>. Publicado em 04/09/2012. Acesso em 08/11/2012.
- GUIMARÃES, Luiz Hugo. História do IHGP. Editora Universitária. João Pessa/PB: 1998.
- PIMENTEL, Cristino. Mais um mergulho na história campinense. ALCG. Edições Caravela. Campina Grande/PB: 2001.
- ALMEIDA, Elpídio. História de Campina Grande. 2ª ed. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB: 1978.

Obviamente fica claro que falta uma foto entre estas duas imagens para completar a obra do fotógrafo, que era de mostrar o Açude Velho de forma panorâmica.

Porém, a junção dessas duas imagens já nos traz um belíssimo cenário de um dos momentos pretéritos desse nosso manancial que representa a origem de Campina Grande.

Vemos na imagem a Rua Cazuza Barreto, a chaminé "da Caranguejo", as firmas Wharton Pedrosa e Araújo & Rique, a Catedral lá no alto, do lado direito...
Uma curiosidade nos foi enviada por Saulo Pereira: O recenseamento realizado na Província da Parahyba do Norte, com dados de Campina Grande (Paróquia de Nossa Senhora da Conceição), no longínquo ano de 1872!

São dados interessantes que mostram o cenário social da nossa recém emancipada cidade àquela época.

O próprio Saulo nos adianta alguns comentários: "= mínima imigração de outros estados; = não há estrangeiros, excetos 24 portugueses; = pouquíssimos profissionais; = 100% se declararam católicos".


Postagem Original: "Açude de Bodocongó":

Escrevi um artigo intitulado "A tal “urbanização” do açude de Bodocongó" para ajudar no debate (ou na falta dele!!!). Há muita "divulgação" de um projeto concretista e pouca ou nenhuma ação com relação a revitalização do Açude de Bodocongó ... enquanto isto vai se transformando num penico como o Açude Velho ou tenderá a desaparecer como o Açude Novo que foi aterrado ... quem se interessar em ler o artigo completo acesse nosso blog Memórias de um ambientalista ... http://ramiromanoel.blogspot.com.br/2012/11/a-tal-urbanizacao-do-acude-de-bodocongo.html#more ...

Finalizo o texto dizendo: "Por que não fazer o correto? Por que não cumprir a lei ambiental? Por que não tratar os esgotos antes de voltar aos nossos rios, açudes e riachos, já que pagamos mensalmente a taxa para tratamento de esgoto a Companhia de Águas e Esgotos do Estado da Paraíba – CAGEPA? Por que não recuperar a mata ciliar do açude de Bodocongó? Por que cometer os mesmos erros do açude velho e do açude novo (que foi aterrado!)?"

"Se este projeto concretista for efetivado, iremos testemunhar mais uma vez a agressão a Lei Ambiental do Brasil, a mutilação de mais um importante açude no semiárido, o descaso com a cidade de Campina Grande, a falta de sensibilidade para utilização do meio ambiente em favor da saúde e lazer da população, só nos resta cantar a letra da música de Humberto Teixeira e Cícero Nunes … “Eu fui feliz lá no Bodocongó. Com meu barquinho de um remo só. Quando era lua. Com meu bem. Remava à toa. Ai ai ai que coisa boa. Lá no meu Bodocongó ...”

Um abraço a tod@s,

Ramiro Manoel Pinto Gomes Pereira
ambientalista, professor, pesquisador, doutor em Recursos Naturais
A Taça Campina Grande de Futebol era uma competição festiva, que encerrava as temporadas do futebol campinense. Geralmente disputada por Treze e Campinense, em alguns momentos a rivalidade chegou as vias de fato. A competição, se fosse melhor organizada, seria um grande evento de abertura de temporada.

Lista Extra-Oficial de Vencedores da Taça Campina Grande


1926 - Treze
1927 - Treze
1928 - Treze
1930 - Ypiranga
1931 - Paulistano
1932 - Centro Atlético Campinense (C.A.C.)
1933 - Ypiranga
1934 - Paulistano
1935 - Paulistano
1936 - Centro Atlético Campinense (C.A.C.)
1937 - Paulistano
1938 - Paulistano
1939 - Treze
1940 - Treze
1941 - Treze
1942 - Treze
1944 - Tabajaras
1945 - Treze
1947 - Treze
1948 - Treze
1949 - Treze
1956 - Treze
1957 - Treze
1967 - Campinense
1976 - Treze
1977 - Treze
1978 - Treze
1979 - Treze
1985 - Campinense
1988 - Treze
1989 - Treze
1996 - Campinense
1999 - Treze
2000 - Serrano

Em 1999, Treze e Campinense disputaram a Taça, vejam os jogos em imagens da TV Borborema:


Em 2000, um "zebraço". O Treze perdeu a Taça para a equipe do Serrano, de Serra Redonda, mas que durante alguns anos se radicou em Campina Grande. Imagens da TV Paraíba:


Maquete: Terminal Rodoviário Cristiano Lauritzen (1958 - Acervo: Diário da Borborema)

Desde a inauguração do Terminal de Passageiros Argemiro de Figueiredo, em 25 de maio de 1985, no Bairro do Catolé, que nos acostumamos a chamar de "Rodoviária Velha" a Estação Rodoviária Cristiano Lauritzen, idealizada na segunda gestão do prefeito Elpídio de Almeida.

Através de contrato firmado com a empresa ENAC - Empresa Naiconal de Mercados Ltda, em maio de 1958, deveria ser construído em uma área de 4.307m² uma plataforma de embarque aliada a 140 boxes comerciais que, para os padrões da época, seria considerado um dos maiores centros comerciais do país!

Segundo a ideia original, previa-se a construção de dois edifícios anexos: um supermercado e um hotel de "linha internacional" (!!!) que, por dificuldades encontradas na desapropriação do terreno destinado a construção do hotel, a ENAC desistiu dessa parte da obra.


Obras de Construção da 'Rodoviária Velha' - Acervo Elpídio de Almeida
Podemos citar como curiosidade da obra, um dado comentado pelo Prof. Dr. Josemir Camilo que o antigo terminal rodoviário possui a maior marquise sem colunas DO MUNDO. De fato, se percebermos  é uma construção bastante peculiar, pois não existem colunas, e de acordo com o próprio professor, engenheiros de vários países já visitaram a cidade para presenciar e estudar o ponto de equilíbrio de sua arquitetura.

O projeto estrutural da marquise é do arquiteto Renato Perylo Borba.
Fonte:
ALMEIDA, Adriana de. "Modernização e Modernidade-Uma Leitura
sobre a Arquitetura de C. Grande (1940-1970)

Mais uma imagem espetacular do Centro de Campina Grande, em data não definida, porém com aspectos urbanísticos bem identificados!

A rua em diagonal é a Treze de Maio, onde à esquerda vê-se a esquina da Rua 04 de Outubro, com um terreno baldio como referência.

O casarão que vemos de frente ao terreno ainda existe; trata-se da antiga reisdência do Sr. Lívio Wanderley, o proprietário da Cinema Capitólio, que também é mostrado na foto, do lado direito... com um pequeno esforço na vista podemos ler o letreiro "CAPITOLIO" escrito na fachada do prédio do cinema.

A fachada do Cine Capitólio era voltada para a Praça Clementino Procópio, que está na foto em seu antigo formato triangular, onde vemos uma série de palmeiras. A praça ficava por trás do antigo conjunto de casas, que vemos do lado direito da foto, onde identificamos os prédios que compunham a antiga usina de luz e força (onde está a palavra "PANORAMA" na foto).
Recebemos nova colaboração do sempre presente, Major Marcus Vinicius, da Polícia Militar, a quem agradecemos. Trata-se de imagens do desfile de 7 de setembro de 1995: "Estava vasculhando meus arquivos, e encontrei essas fotografias. Elas são referentes ao 7 de setembro de 1995, aqui em Campina Grande, quando foi designado um pelotão de Cadetes da Academia de Polícia Militar do Cabo Branco (um dos quais eu mesmo) para desfilar juntamente com a tropa do 2º Batalhão. Não são antigas, têm menos de 20 anos, mas se quiser, pode postar todas ou as que achar mais interessantes. Podem até ficar junto das fotos do 2º Batalhão, já que são referentes àquela Unidade. Algumas curiosidades, o prédio dos Bombeiros que ainda funcionava dentro do Quartel do 2º BPM, e a Tropa de Choque, antiga Bacural, Comandada pelo falecido Tenente César, que foi o fundador daquele grupo especial", nos relatou o Major. 












Nossos visitantes podem visualizar mais fotos do desfile de 1995 e outras da briosa corporação, clicando AQUI em nosso album do Facebook.
Açude de Bodocongó - Anos 50

Na sua origem, as terras que hoje compõe o Açude de Bodocongó foram instituídas pela Coroa Imperial por doação a Antônio de Oliveira Ledo e sua mulher Izabel Pereira “em remuneração dos serviços que fez a dita Corte, metendo o gentio bárbaro, daquela, e mais ribeira” por ter logrado êxito na “guerra aos bárbaros” – com a ajuda de Antonomaria Cavalcnaty

Esta mesma concessão, com a morte dos sesmeiros originais, foi solicitada pelo seu filho João Pereira de Oliveira ao rei D. José I, que mandou “demarcar a terra da aldeia da Campina Grande, para a parte dos Bultrins, terra que os índios sempre dominaram como deles, para que possa, com os rendimentos da mesma, dar cumprimento à instituição”

A Carta escrita em 17 de Fevereiro de 1767, denomina a região de “Bodo Congo” segundo o idioma Dezebucuá Cariry, cuja tradução enseja algumas dúvidas. Para os pesquisadores o termo tem origem Cariry e não Tupy, traduzindo-se por “águas que queimam” (bo-dó-congó), embora ÁGUA naquela língua mãe seja DZU.

O açude – cujas coordenadas geográficas são 07°13’11”S, e 35°52’31”W - distante 6 Km de Campina Grande, tem uma profundidade que varia entre quatro a seis metros, podendo alcançar nos pontos mais fundos até sete metros.

Coube ao prefeito Christiano Lauritzen proceder a barragem de um pequeno riacho afluente do Rio Paraíba, preocupado com as secas iminentes na região e a necessidade de armazenar água potável para os campinenses. O pequeno córrego era conhecido desde 1762, citado na Sesmaria concedida ao Padre Domingos da Cunha Figueiredo.

Os estudos haviam sido iniciados no ano anterior, atendendo solicitação do Conselho Municipal que oficiou nestes termos ao governo federal:

O Conselho agradece em nome da populaçãodo Município a solicitude com que V.S. mandou fazer os estudos do Açude de Bodocongó, promoveu perante o governo a sua aprovação. Com este açude não fica resolvido o problema d`água potavel para uma população que, apesar das secas contínuas, aumenta admiravelmente. A população vive sobre a ameaça continua do desaparecimento gradual do elemento mais essencial a vida... (a água)".

O engenheiro Miguel Arrojado Lisboa ficou responsável pela construção, com o apoio do Presidente Hermes da Fonseca e da municipalidade campinense.

As obras iniciaram em 1911 e foram concluídas em 1916, todavia o reservatório não serviu ao seu fim imediato, devido ao alto grau de alcalinidade da água. Com capacidade estimada em 1 milhão de metros cúbicos, seu pH médio em 1934 oscilava em 7,75. 

Tempos depois, as águas daquele manancial serviram para a indústria têxtil e de curtição de couros (curtume).
(por Rau Ferreira)

 
Referências:
- AHU-ACL-N-Paraiba. Documentos Ultramarinhos. Catálogo Nº 1812. Disponível em: http://www.cmd.unb.br. Acesso em 11/11/2012.
- ALMEIDA, Elpídio. História de Campina Grande. Ed. Livraria Pedrosa. Campina Grande/PB: 1962.
- DNOCS. 2ª Coletânea de trabalhos técnicos. Ministério do Interior. Brasília/DF: 1981.
- DO Ó, Edmilson Rodrigues. Açude de Bodocongó: dragagem, revitalização, urbanismo... (artigo). Disponível em http://cgretalhos.blogspot.com.br. Acesso em 11/11/2012.
- FILHO, Severino Barbosa da Silva. Marranos na Ribeira do Paraiba do Norte. Ed. Agenda: 2005.
- IBSP. Arquivos do Instituto Biológico de São Paulo, Volume V. São Paulo/SP: 1934.
- IFOCS. Relatório dos Trabalhos Realizados pela Inspectoria Federal de Obras contra as Seccas. Brasil: 1938.
- Mineração metalurgia. Vol. XVII, Edição 98 -Volume 18. Brasil: 1952.
- NASCIMENTO, Luis Carlos Costa. Impactos ambientais no Açude de Bodocongó. Disponível em http://opovonalutafazhistoria.blogspot.com.br. Acesso 11/11/2011.
- TAVARES, João de Lyra. Apontamentos para a História Territorial da Paraíba, Vol. I, Imp. Of., Pb., 1910.
Foto dos primórdios do Colégio Estadual da Prata nos anos 50, do acervo de Lêda Santos de Andrade e cedida ao RHCG por Júlio César Oliveira:


Foto: Diário da Borborema 27-12-1959

A imagem acima corresponde ao projeto original para a Escola Politécnica de Campina Grande (hoje UFCG), idealizado pelo Arquiteto Heitor Maia Neto, para construção do prédio próprio da escola em terreno doado pela FUNDACT - Fundação para o Desenvolvimento da Ciência e da Técnica, no bairro de Bodocongó.

Elaborado em 1959, o cenário proposto pelo autor lembrava a Faculdade Católica de Pernambuco, também de sua autoria e tinha um custo estimado em mais de dois milhões de cruzeiros, a ser cumprido em duas etapas.

Do projeto original aprovado, somente o edifício destinado ao setor administrativo foi construído.


Fonte:
ALMEIDA, Adriana de. "Modernização e Modernidade-Uma Leitura
sobre a Arquitetura de C. Grande (1940-1970)


Fazendo o papel de "Utilidade Pública" de nossa cidade, divulgamos a obra "Retratos de Campina Grande - Um Século de Imagens Urbanas" dos autores Jônatas Lacerda e Agostinho Nunes, professores da UFCG, que passaram 10 anos coletando material para esta obra, inclusive, servindo-se também do acervo de nosso blog.

O livro é um verdadeiro tesouro sobre Campina Grande, com fotos do passado e do presente, mostrando as mudanças ocorridas, tudo impresso em material de alta qualidade.

O livro está custando R$ 150,00 e pode ser adquirido através do contato com Elaine de Souza pelo telefone (83) 9921.9879 ou pelo email: elaine.fe.souza@gmail.com . O preço de 150 reais é para obra adquirida diretamente com Elaine. Se tiver envio por correios, os custos adicionais serão cobrados. 



No ano de 1846, o 2º Tenente Francisco Pereira da Silva, por ordem de Frederico Carneiro de Campos, Tenente Coronel do Imperial Corpo de Engenheiros, percorreu a Província da Parahyba descrevendo-lhes alguns aspectos com vistas à melhoria dos serviços públicos.
O texto a seguir é o seu memorial “contendo a indicação dos lugares mais asados para a construção de açudes, e fontes públicas, e concluindo com hum projecto para o estabelecimento de celleiros”.
A sua viagem teve início no dia 24 de dezembro daquele ano, partindo da Cidade da Parahyba [atual João Pessoa] até o Município de S. João. Percorreu as vilas de Santa Rita, Pilar e Ingá, até chegar à Vila Nova da Rainha que assim descreve:

Distante do Ingá dez léguas está situada a vila de Campina Grande sobre huma collina da serra da Burburema. Tem huma igreja matriz dedicada a N. S. da Conceição, bastante grande, porém não acabada; huma igreja da invocação de N. S. do Rosario; huma cadea muito arruinada, e huma cada de camara que serve também para a reunião do tribunal do jury; tem dous açudes, hum denominado Velho, e outro Novo, o primeiro está no sul da villa, no qual desagoa o riacho das Piabas que nasce na lagoa Genipapinho, e corre a leste, e torna-se no tempo do inverno huma concha de água capaz de resistir a quatro ou cinco annos de secca, não obstante ser combatido pelas boiadas que passão do centro, não só desta província, como da de Pernambuco, Ceará e Piahui.
O açude Novo he mais pequeno que o Velho, porém a água nelle depositada he mais saudável, e por isso a população faz uso della com freqüência para beber. A matriz tem as seguintes capellas filiaes: Boa Vista, dez leguas no poente pela estrada de Espinhara; a de Poucinhos seis leguas distante pela estrada do Siridó ao sul, na distancia de cinco leguas; na serra Fagundes está a de S. João, onde antigamente foi hospício dos religiosos da Penha de Pernambuco, e a leste, pela estrada da capital, está a de Bacamarte. A maior parte das fazendas de criação e agricultura estão abandonadas, e as que existem estão em decadência causada pela rigorosa secca que por muitas vezes tem flagelado a província. As matas estão destruídas, talvez mais pelos fogos dos roçados de alguns agricultores imprudentes, do que pelo calorio do sol; com tudo ainda se encontra alguma madeira para construcção.
O terreno he fértil nos annos invernosos, e próprio para agricultura no lado leste, porque he mais humido; porem no geral he todo secco e muito calcário, por isso pouco conveniente para qualquer construção que se pretende fazer com o fim de obter água nascida; e se alguma contem ou he filtrada pela area, que esposta ao ar, cuja temperatura he sempre acima de setenta grãos de thermometro centrigrado, evaporiza-se com muita rapidez, ou está em grande profundidade, onde existe, segundo me parece, huma camada de sal.
Os açudes e seus arredores, para conservarem água de hum para outro inverno, porem infelizmente os que tem não estão perfeitos, pois que os bardos não tem a precisa solidez para resistir às ondulações do líquido que podem conter, principalmente no inverno, quando sopra o vente leste.
Parece-me que tenho demonstrado a absoluta necessidade de se construir os açudes desta villa com perfeição; esta obra pode importar em 3:000,000 réis, no máximo.
Levantei a planta desta villa (Planta nº 1), fiz melhoramentos nas cacimbas existentes, e mandei abrir outras que servirão para o povo flagellado pela sede, alem disto indiquei dez ou doze lugares nas margens do riacho das Piabas, onde se apresentão alguns signaes de água filtrada pela area; esta água he pouco duradoura. (...)Parahiba do Norte, 31 de janeiro de 1847. (as) Francisco Pereira da Silva – segundo tenente do Império do Corpo de Engenheiros”.

Em um segundo momento, prossegue o viajante relatando a fauna existente nas matas campinenses, registrando a presença dos seguintes animais: veados, onças, porcos, raposas, macacos, preguiças, pacas, quatis, mocós e preás. E entre as aves: emas, sariemas, jacus, zabelês, codornizes, papagaios, rolas, aza brancas, torquazes, canários, cardeais, marrecas e socós, além de uma diversidade de gaviões. Entre os répteis, grande número de cascavéis.
Destaca ainda a mineralogia da região:

“Encontrei em differentes lugares camadas de pedra calcaria, grande quantidade de quartzo, o ferro, camadas de salitre, e signaes que indicão a existência de veias de ouro (grifei).

Esta observação em particular, me chamou a atenção, pois foi a primeira vez que me ocorreu a existência deste minério precioso em nossas terras.
Ressaltou ainda o engenheiro a fitologia do Município, citando nessas matas a existência de Pau Ferro, Violeta, Arueira, Pereira, Batinga, Amarelo e Jurema, Sucupira, Pau D’arco, Coração Negro, Angelim e grande quantidade de Baraúna. A curiosidade fica por parte da “Jurema”, cuja madeira fornecia o carvão para os ferreiros.
Conclui a sua descrição indicando como solução para o flagelo das secas a construção de açudes; o cultivo da mandioca – “que produz e conserva-se muito tempo no terreno secco”; plantar o Capim Angola para alimentar o gado; diminuir o corte das árvores e as queimadas; evitar o plantio de roçado entre 1º de janeiro e fim de março – “porque sendo este o tempo em que a chuva está mais próxima da superfície da terra desta província, o calorio desenvolvido por estas queimadas a faz evaporar”; e, finalmente, proibir a criação de gado nos terrenos de agricultura.


Referências:
- BRAZI, Annuario Político, Histórico e Estatístico. Segundo Anno. Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro/RJ: 1847
 
BlogBlogs.Com.Br